Crédito: Reprodução/Divulgação

A taxa poderá ser cobrada em qualquer atividade que comece, termine ou passe pela capital paulista, e o valor pode ser definido por quilômetro percorrido (Crédito: Reprodução/Divulgação)

Nesta terça-feira (27), o prefeito de São Paulo Ricardo Nunes (MDB) sancionou uma lei que autoriza a cobrança de uma taxa extra em serviços de aplicativos como Uber e iFood. A decisão foi publicada no Diário Oficial da cidade. O destino da taxa será a gestão municipal, e a cobrança pode ser feita por qualquer serviço que comece e termine em São Paulo.

A taxa poderá ser cobrada em qualquer atividade que comece, termine ou passe pela capital paulista, e o valor pode ser definido por quilômetro percorrido, por viagem ou pela combinação dos dois juntos, considerando, por exemplo, o impacto de cada atividade no meio ambiente, no trânsito ou no gasto que a prefeitura terá com a infraestrutura da cidade.

O valor poderá ser cobrado das empresas de aplicativo, e não diretamente dos usuários, com o objetivo de aumentar a arrecadação do município.

Segundo a prefeitura, o texto sancionado é autorizativo, ou seja, não obriga a instituição da taxa. A emenda criou alguns parâmetros para, caso o Executivo opte por criar essa taxa, possam ser analisados os cenários e escolhido o melhor modelo para instituir a compensação tributária.

Em um compromisso em 21 de julho, Nunes afirmou, sobre a lei: “Vou sancionar. Irei sancionar para defender a cidade. Não terá aumento. Terá uma compensação com relação ao pagamento do ISS, se a empresa optar por pagar o ISS em outro município”.

A ideia é conter a situação de guerra fiscal, uma vez que empresas que lucram com a exploração de serviços em São Paulo se mudam para outros municípios e recolhem ISS nessas cidades. Não haverá aumento de incidência de impostos para o munícipe.

De acordo com Nunes, a sanção do projeto permite que a administração municipal cobre uma taxa do aplicativo de empresas sediadas na capital paulista que estão se mudando para outros municípios para pagar menos impostos, mas continuam atuando na cidade.

Fonte original