Rodando na “praça” há 26 anos, Ricardo de Castro, de 61, fala da profissão com orgulho. Como taxista, ele sustenta a família e conseguiu formar os três filhos. A reabertura do comércio em BH, somada às constantes reclamações relacionadas às corridas por aplicativos, tem aumentando a demanda para os táxis.

O TXS2, aplicativo do Sindicato dos Taxistas e Motoristas Autônomos de Minas Gerais (Sincavir-MG), registrou um crescimento entre 27% e 30% nas solicitações de corridas, desde o fim de maio. Os descontos do app podem chegar a 30%.Castro já sentiu a diferença no bolso.

Antes da pandemia, em uma jornada de 12 horas, ele ganhava, em média, R$ 300 por dia. Valor que caiu pela metade na época do fechamento da cidade. Hoje, ele já consegue receber cerca de R$ 250, diariamente.“Os aplicativos caíram com a qualidade, e nossa cooperativa tem um sistema de serviço rigoroso”, explicou.

O presidente do Sincavir-MG concorda com o motorista. “A gente atribui esse aumento à volta do comércio e dos eventos. O taxista se preparou, temos ferramentas tecnológicas”, disse.
O taxista Marcelo Cândido Moreira, de 64, acrescenta que o tratamento do taxista é diferenciado. “Nós temos conhecimento da cidade, oferecemos segurança”.

Frota de táxi em BH chega a quase 7.000

De acordo com os dados que foram disponibilizados pela Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte S/A (BHTrans), a capital mineira conta com 6.985 táxis, sendo a média da frota de três anos e oito meses. Ao todo, somente neste ano, 245 veículos foram trocados por novos no município.

Para ser taxista novato em Belo Horizonte é preciso cumprir alguns requisitos. É necessário, por exemplo, além da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e comprovante de vários documentos, não ter bloqueio na permissão, não ter pendências de documentação junto à BHTrans ou comparecer com toda a documentação pendente (permissionário e auxiliar), não estar cadastrado em nenhuma permissão/autorização na BHTrans, entre outros.

Carros de apps estão sumindo

Se, por um lado, taxistas percebem a volta dos clientes, por outro, cada dia mais, usuários reclamam da falta de carros de aplicativos.
Segundo o Sindicato dos Condutores de Veículos que Utilizam Aplicativos do Estado de Minas Gerais, na capital há cerca de 70 mil motoristas cadastrados e 90 mil na Grande BH.
Desse total, pelo menos 50% abandonaram as plataformas ou pararam de rodar regularmente. Um dos motivos é a alta dos combustíveis. A Uber e a 99 negaram oferta menor dos serviços (Lucas Morais)

Regras para táxis durante a pandemia

Entenda

– Todos os carros precisam ser higienizados, após cada viagem
– Os carros podem rodar com o ar-condicionado desligado, mas os vidros abertos
– Motorista deve oferecer álcool 70% aos passageiros
– Pagamento deve ser, preferencialmente, no dinheiro
– Taxistas com sintomas da Covid-19 não podem trabalhar

Fonte: PBH

Fonte original